Solo Grampeado: entenda seu funcionamento e processo de execução em uma obra

O solo grampeado é um dos tipos de estruturas de contenção indicado para a execução de estradas, túneis e remediações, garantindo agilidade, segurança e economia para a obra.

Também conhecido como reforço de talude a contenção feita com solo grampeado é bastante utilizada. Cabe ressaltar que o projeto deve ser obrigatoriamente executado por profissionais especializados em geotecnia.

Neste texto, iremos nos aprofundar nessa técnica, com informações mais detalhadas sobre como funciona, quais são os passos para sua execução e suas vantagens e desvantagens. Confira:

O que é Solo Grampeado?

exemplo-de-solo-grampeado

Esse método consiste na aplicação de um suporte flexível que permite que o terreno se deforme. Assim ocorre a formação de uma região plastificada em torno da escavação que, se necessário, pode ser reforçada com chumbadores.

Entendemos o solo grampeado como uma ótima técnica em relação ao reforço do solo “in situ” em taludes naturais ou taludes resultantes de processo de escavação.

Ele estabiliza os taludes de corte de forma permanente (mais comum) ou temporária (menos comum).

Essa técnica de contenção aumenta a coesão do conjunto solo-reforço. Dessa forma, cria uma massa de terreno estabilizado que funciona de modo semelhante ao muro de gravidade.

É preciso atenção, no entanto, antes de projetar a técnica: os responsáveis pela obra devem fazer análises com sondagens e topografias de precisão.

Se os mesmos julgarem necessário, pode-se abrir mão de ensaios de resistência dos solos envolvidos e da argamassa de injeção dos grampos.

Por fim, vale lembrar que tal técnica não possui norma específica da ABNT. As normatizações que existem não são adequadas para a supervisão do projeto nem para a construção das contenções grampeadas.

Veja também: Tirantes: O que é? Pra que servem e em que tipos de obras são utilizados

Contexto Histórico

O solo grampeado foi desenvolvida pelo professor Ladislau Von Rabcewicz, a partir de 1945, e tem origem na técnica de execução de suportes de galerias e túneis denominada NATM (“New Austrian Tunneling Method”).

A primeira documentação envolvendo a técnica data 1972 e é referente a um talude ferroviário próximo a Versalhes, cidade histórica francesa.

No Brasil, o solo grampeado começou a ganhar mais adeptos a partir da década de 90, sendo empregado na construção da rodovia dos Imigrantes, em São Paulo.

Processo de Execução

A execução do Solo Grampeado requer algumas etapas que são descritas a seguir:

  • Escavação: Deve ser efetuada em trechos horizontais intercalados e com profundidade de aproximadamente 1,5 m. Se os responsáveis da obra quiserem, o pré-jateamento de concreto pode ser feito nos locais das aberturas onde ficarão os chumbadores. Todo esse processo ajuda a conter erosões.
  • Chumbadores:  O sistema de fixação usado para prender algo à uma superfície desempenha papel importantíssimo no solo grampeado. Normalmente são empregadas barras metálicas, com diâmetro que varia entre 14 e 50 mm. Engenheiros experientes recomendam que, antes de serem enterrados, esse material receba proteção contra corrosão. Uma vez que os chumbadores estão prontos, é realizada a perfuração, seguida da colocação das barras metálicas.
  • Injeção do Concreto: Por fim, é preciso preencher todos os vazios e garantir a aderência entre o solo e o grampo. Essa etapa nem sempre é realizada, o que pode causar sérios problemas, já que é prejudicial para a eficácia e estabilidade da contenção e sua estabilidade.

solo grampeado

Depois que todos esses passos são executados, chega a hora de revestir a face do terreno. A sequência é repetida até a altura total da contenção, prevista no projeto da obra.

Veja no vídeo abaixo um modelo de execução de Solo Grampeado:

Vantagens e Desvantagens do solo grampeado

O solo grampeado é uma alternativa muito considerada para obras que precisam da contenção de taludes de sorte ou em solos coesivos e acima do lençol freático.

Tal técnica também é bem-vinda por conta da sua rapidez e economia, já que permite uma significativa redução nos custos em comparação aos outros métodos.

Porém, o método não é indicado para terrenos arenosos ou pouco coesivos, nem em situações em que o nível de água está acima do pé da contenção. Outro ponto da atenção é a elevada dependência da qualidade construtiva do solo grampeado.

Por isso é extremamente importante que a construção seja feita por profissionais capacitados, que irão garantir a estabilidade da contenção.

Quais são as suas opiniões sobre o solo grampeado? Já teve alguma experiência com a técnica? Nossa caixa de comentários está aberta para discussões criativas sobre esse e outros assunto relacionadas a Engenharia Civil!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *